Quantos grãos têm em uma pilha? A resposta para esta pergunta, tão crucial para indústrias como a de minérios e de soja, passa por uma série de cálculos volumétricos, pesagens, mapas e estudos de topografia, certo? Não se depender da equipe da brasileira Mogai, uma das startups selecionadas para participar do Ciclo Miami do programa StartOut Brasil.

Nascida no centro de empreendedorismo da Universidade Federal do Espirito Santo, a startup tem como principal produto o software ProTopography, desenvolvido para substituir tanto a topografia tradicional quanto os modernos laser scanners que medem volumes de minério, soja, terra ou qualquer outro material granulado. Com a nova tecnologia, a medição leva apenas 5 minutos e necessita apenas de uma volta ao redor do volume para captação das imagens. O software então interpreta os dados coletados e cria um 3D com as dimensões reais e volume automaticamente.

“O hardware é baseado em fotografia estéreo, um scanner 3D fotográfico que não tem similar no mundo. Nossa tecnologia permite evoluir a medição de estoques de minério ou soja para o monitoramento e melhoria contínua na produção e consumo destes materiais”, conta Franco Machado, diretor comercial da Mogai.

Entre seus clientes estão empresas líderes mundiais em mineração, siderurgia, petróleo, agronegócios e tecnologia da informação. “O Brasil é um grande produtor e consumidor de minério, soja, fertilizantes e refinador de petróleo, setores demandantes de nossa tecnologia. Surgimos para prestar serviços de desenvolvimento de software sob medida para empresas como Vale, Fibria e ArcelorMittal”, afirma.

Agora, Franco e seus colegas apostam no potencial dos Estados Unidos da América, outro competidor de peso nas indústrias de mineração e agronegócio, para dar o primeiro passo na estratégia de internacionalização. O caráter inovador dos produtos oferecidos pela empresa garantiu uma vaga entre as 15 selecionadas para o ciclo Miami do programa StartOut Brasil, promovido por Apex-Brasil, MDIC, MRE, Sebare e Anprotec para fomentar a inserção de startups brasileiras nos principais ecossistemas de inovação do mundo. “Buscamos (com o StartOut) estabelecer os primeiros contatos com potenciais parceiros, além de validar as hipóteses sobre o uso de medição de granulados por lá”, confirma o diretor.

O Ciclo Miami ocorre entre os dias 9 e 14 de setembro e conta com visitas a polos de desenvolvimento, inovação e criação, palestras com especialistas no mercado local, visitas técnicas e rodadas de negócios. Os participantes foram selecionados entre 125 inscritos e passaram por um processo de mentoria e orientação para o mercado norte-americano, que continuará após a missão, com o apoio ao estabelecimento da empresa no país.

 

Saiba mais:

Casos de sucesso de empreendedorismo brasileiro no exterior: www.bebrasil.com.br/pt

Programa StartOut Brasil: https://www.startoutbrasil.com.br/

Mogai: http://www.mogai.com.br/