A Kinship Entertainment ainda não completou dois anos, mas tem os olhos no futuro e a intenção de conquistar o mundo. O mundo dos games, que fique claro. Fundada em São Paulo, a Kinship (palavra que, em inglês, significa “parentesco”), reuniu um grupo de seis pessoas que atuavam na área de jogos eletrônicos e desenvolveu alguns produtos, como o Skydome, atualmente o carro-chefe da empresa.

O game, espécie de jogo de ação, coloca uma equipe contra a outra. Os times formados por quatro jogadores escolhem uma criatura e tentam evitar o avanço dos adversários. É puro entretenimento que pode ser jogado online, no computador. Mas, também, envolve muita paixão, tanto no momento da criação do game quanto na apresentação da proposta aos investidores. Criatividade que ilustra bem a campanha Be Brasil – narrativa que mostra um Brasil inovador, criativo, estratégico e sustentável no mundo dos negócios.

O objetivo da Kinship Entertainment é conquistar os mercados norte-americano e europeu. E, para isso, eles já estão enviando pessoas para fazer negócios nas principais feiras internacionais do segmento. “O mundo inteiro está na internet competindo, então temos que estar no resto do mundo, também. Nosso foco agora está em ampliar o mercado. Então, estamos tentando fazer tudo certinho, bonitinho. E escolher nossas batalhas”, afirma Matheus Zanetti, coordenador de Marketing da empresa. Confira a entrevista:

 

Como surgiu a empresa?

A Kinship Entertainment surgiu em São Paulo, em abril de 2016. Todos os funcionários da empresa já trabalhavam com jogos e a gente conseguiu viabilizar um investimento privado e brasileiro para começar uma empresa própria. A partir daí o negócio cresceu. Tudo começou com seis pessoas em um coworking. Aos poucos, a gente foi conseguindo desenvolver mais e mais a ideia do Skydome, que é um jogo autoral. Agora a empresa já está com 17 pessoas.

O Skydome é o carro-chefe da empresa?

Sim. O Skydome é o produto principal da empresa e a gente está totalmente focado nele. É um jogo voltado para entretenimento, B2C e multiplayer on line. Ele é do tipo action tower defense, quando a partida é realizada entre duas equipes, de quatro jogadores, em áreas separadas. Cada jogador escolhe o tipo de criatura e os caminhos que ela decide enfrentar. A estratégia é escolher a criatura, controlar o personagem a partir do jogo diferente e usar mecânicas de defesa de torre para barrar o avanço das criaturas inimigas. Assim como as habilidades globais que passam para o outro lado da arena. São esses pilares: ação e defesa de torre.

Qual a plataforma principal do jogo?

Até o momento é para computador, no caso o PC. Nosso projeto é ambicioso, a equipe é pequena. Então, estamos tentando fazer tudo certinho, bonitinho. E escolher nossas batalhas.

Qual a previsão de lançamento do Skydome?

Iremos lançar o jogo ainda em 2018, mas ainda não há uma data específica. Estamos em processo de desenvolvimento e fazendo testes no jogo. No primeiro semestre vamos abrir um beta. As pessoas também podem entrar no nosso site, o playskydome.com, para receber as novidades em relação ao jogo. Elas podem fazer um cadastro para poder participar dos testes. Nós enviamos por e-mail as instruções de como elas podem participar.

Como você avalia a participação na Feira Brasil Game Show?

Foi bem legal, rolou um reconhecimento do trabalho. Fazer jogo é um esforço grande. É difícil abrir uma empresa no Brasil, imagine, então, no segmento de jogos, que exige um investimento alto. Foi bom também pela oportunidade de reunir o mercado brasileiro. A gente conseguiu ver o que as outras pessoas fazem, com jogos bem bacanas. E em relação ao Skydome, nós obtivemos alguns feedbacks interessantes, principalmente em relação à movimentação e à trilha sonora.

E vocês já participaram de eventos no exterior? Querem o mercado internacional?

Ainda não tivemos estande em feiras internacionais. Nós participamos enviando pessoas para fazer negócios. Temos a ambição em chegar ao mercado internacional, principalmente Estados Unidos e Europa, e, também, temos planos de entrar no Projeto Brazilian Game Developers (parceria da Apex-Brasil com a Abragames para promover o setor de jogos eletrônicos brasileiros no exterior). A internet acabou com todas as fronteiras. Se a gente está lançando um jogo, esperamos competir com produtos não apenas brasileiros. O mundo inteiro está na internet competindo, então temos que estar no resto do mundo também. Nosso foco agora está em ampliar o mercado. Se a gente receber propostas de parcerias, também vamos considerar.

 

Para conhecer a Kinship: http://kinshipentertainment.com/

Para jogar Skydome: http://playskydome.com/us/index.html

Conheça o Projeto Brazilian Game Developers: http://www.braziliangamedevelopers.com.br/

Veja mais casos de sucesso de empreendedorismo brasileiro no exterior: www.bebrasil.com.br/pt