Uma galinha azul com pintinhas brancas que dança e canta nas telas ao som de tradicionais cantigas de roda brasileiras. Quem tem filhos pequenos conhece muito bem o personagem: a Galinha Pintadinha. A produção é genuinamente brasileira e surgiu em 2006, em uma casa num bairro tranquilo de Campinas. A Bromélia Produções é a responsável pelo sucesso da personagem, que já atingiu mais de 10 bilhões de visualizações no You Tube e está disponível em canais oficiais em espanhol, inglês norte-americano, inglês britânico, italiano, francês e japonês. 

Nesta conversa com o Blog da Apex-Brasil, os criadores do personagem, os produtores musicais Juliano Prado e Marcos Luporini, falam um pouco sobre como a produtora soube aproveitar, com criatividade e inovação (atributos da campanha Be Brasil, que mostra um Brasil confiável, estratégico e sustentável no mundo dos negócios), a oportunidade que surgiu lá em 2006. A história é bem curiosa: naquele ano, eles fizeram uma animação piloto da Galinha e colocaram no YouTube para apresentar a um cliente. A ideia era retirar depois da reunião comercial, mas eles acabaram esquecendo e em poucas semanas, o vídeo bombou na internet. A partir daí, a história é de muito trabalho, aprendizados e uma reinvenção constante, para manter o sucesso do produto e colocá-lo no mundo. 

Hoje, a Galinha também pode ser encontrada no Netflix, Playkids e NetNow, além das lojas virtuais do iTunes e Google Play.  Os pequenos fãs ainda têm à sua disposição os produtos de mais de 50 empresas licenciadas para uso da imagem da Galinha. Confira! 
 
O produto nasceu em 2006, diretamente no mercado digital. Vocês já conheciam o funcionamento desse mercado? Como foi o processo de aprendizado e criação do modelo de negócio? 

As ferramentas digitais foram determinantes para nosso sucesso. A animação piloto que publicamos no YouTube teve, em pouco tempo, mais de 500 mil visualizações, um volume enorme para a época nessa plataforma. Esse resultado já sinalizava uma ótima receptividade ao nosso material. Hoje esse mesmo número de views é gerado em menos de duas horas. 
 
O Juliano Prado já havia trabalhado alguns anos no mercado digital, e estava acostumado com o modelo “freemium”, onde parte do material fica disponível gratuitamente e gera uma massa crítica de fãs que pode gerar outras receitas. Mas como a distribuição digital em 2006 estava só no começo, tivemos que ir experimentando e aprendendo ao mesmo tempo sobre esta nova mídia. Por muito anos, por exemplo, nenhuma produtora profissional colocava conteúdo gratuito no YouTube. Para eles, isso não fazia sentido, mas para nós foi o grande pulo do gato. Fomos os primeiros a explorar também o conceito de “multi-telas”, que ajudou a Galinha Pintadinha virar a estrela digital que é hoje.

  
Mais tarde, vocês entraram no mercado de licenciamento. Como foi dar este novo passo e o que o licenciamento representa hoje para a empresa?

Foi mais que um aprendizado, foi uma verdadeira universidade, pois sabíamos muito pouco sobre esse mercado até então. Contamos com a ajuda do nosso agente, a Redibra, que tinha décadas de experiência no ramo, mas nunca havia trabalhado com uma marca como a nossa: digital e brasileira. Quebramos um paradigma do mercado, pois conseguimos tornar uma marca relevante mundialmente (atingiu a posição 89 no ranking de marcas mundiais em 2014), a partir de uma produção que não estava na TV nem no cinema, além de não vir de Hollywood. No começo as empresas licenciadas, acostumadas a trabalhar com marcas infantis estrangeiras, não acreditaram muito no potencial, mas os primeiros casos de sucesso apareceram logo e mais de 60 indústrias passaram a fazer produtos com a marca Galinha Pintadinha.

Hoje, além do português, a Galinha Pintadinha está traduzida em seis línguas. Como foi entrar no mercado internacional, o que precisou ser adaptado? 

Acreditamos que o universo lúdico da Galinha é universal, mas as traduções são sempre delicadas. Procuramos falantes nativos que tenham alguma conexão com o Brasil para facilitar o processo de dublagem em outras línguas. É um longo processo para a escolhas das vozes mais adequadas e para melhor adaptação da sonoridade das cantigas brasileiras nesses outros idiomas. Nosso sucesso de visualizações no México e nos Estados Unidos são bons exemplos e reflexos da proximidade cultural com os países de língua espanhola. Mas estamos atentos às características de cada país e já estamos em negociações para exportar nossa série para Alemanha e também para China, em mandarim.

Recentemente vocês lançaram a Galinha Pintadinha Mini, uma adaptação do personagem para séries de TV. Qual é a proposta desse projeto? 

A proposta da Galinha Pintadinha Mini é trazer um conteúdo diferente, com mais historinhas e atividades educativas. É uma roupagem ainda mais fofa e com um estilo diferente e moderno.  Quando criamos os novos roteiros, priorizamos questões que pudessem ensinar enquanto as crianças brincam. É como um programa de variedades, com histórias, atividades e música, que se encaixam perfeitamente nas telas pequenas dos dispositivos móveis.  As atividades educativas de números, cores, formas e objetos são apresentadas às crianças no decorrer dos episódios e, ao final, tudo o que foi aprendido é recapitulado. A Mini conta também com um site oficial próprio, com atividades para imprimir e distribuir para a criançada.


Na opinião de vocês, o que diferencia o Brasil internacionalmente, no segmento do audiovisual? 

Desde o início dos anos 2000, o audiovisual brasileiro viveu mais que uma retomada, uma revolução. Formou-se um mercado com profissionais, inclusive de animação, que entregam trabalhos de altíssimo nível. E, assim como a Galinha Pintadinha, obras e propriedades brasileiras começaram a conquistar o público nacional e também a ganhar espaço no concorrido cenário internacional.

O potencial do audiovisual brasileiro foi responsável por gerar uma renda de R$ 24,5 bilhões na economia, em 2014, segundo a Ancine. Temos orgulho de hoje poder representar nosso país no exterior com conteúdos educativos e entretenimento de qualidade.

As mães e pais do Brasil e do mundo querem saber: o que a Galinha Pintadinha tem que hipnotiza as crianças pequenas? É a música, são as cores, os traços? A que vocês atribuem este sucesso tão grande? 

Poderíamos dizer que é tudo isso junto, mais todo o cuidado e preocupação com que preparamos nossos vídeos. Estamos cientes da importância da Galinha Pintadinha e toda sua turma na formação dos pequenos e estamos interessados em contribuir positivamente para todo processo de desenvolvimento e educação deles. Já tivemos, inclusive, um reconhecimento internacional dessa nossa postura. Uma pesquisa realizada no ano passado, no México, sobre os personagens, personalidades e super-heróis mais populares no país apontou nossa Gallina Pintadita como a favorita entre as crianças de 0 a 6 anos, sendo considerada a propriedade intelectual mais unissex que outras atrações já criadas para crianças em idade pré-escolar. Nosso sucesso, em diferentes países, também está relacionado ao fato da Galinha Pintadinha estar presente nos primeiros meses na vida desses baixinhos, desde seu nascimento, aos primeiros passinhos e descobertas.

Confira o canal da Galinha Pintadinha no YouTube: https://www.youtube.com/user/juptube 

E veja mais histórias de sucesso de empreendedorismo brasileiro em www.bebrasil.com.br/pt