segunda-feira, 07/08/2017
MAPA COMPLETO SOBRE FRUTAS NA CHINA

O mercado de frutas na China foi alvo de estudo de Inteligência Comercial da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Em 2015, o país importou US$ 5,2 bilhões em frutas. A preferência está nas frutas frescas, que deverão se manter como prioridade em relação às frutas secas e em conserva. Apesar das diferenças regionais e com o crescimento do varejo pela internet, a expectativa projetada para 2016-2019 é bastante positiva, já que quase a totalidade (98,3%) do consumo de frutas na China em 2015 foi de frutas frescas, o que abre oportunidades para produtores de frutas no hemisfério sul, inclusive o Brasil.

O consumo de melões e melancias foi de 45% das frutas frescas. As bananas também estão entre as principais frutas frescas consumidas na China e representaram 5,8% do volume total consumido em 2015. Além disso, existe forte demanda também por limões taiti e sicilianos, tanto pela indústria local como pelos consumidores domésticos.

Novos sabores também podem agradar aos consumidores chineses. Com o aumento de demanda por frutas e as preocupações relacionadas à agricultura nacional, os chineses estão mais propensos a experimentar frutas novas, mesmo se os preços forem um pouco mais altos que a média, diz o estudo da Apex-Brasil.

Vale destacar também que, na China, o e-commerce tem crescido. Na medida em que fica cada vez mais fácil comprar alimentos embalados e frescos online, os consumidores ganham a opção de encomendar frutas frescas de uma ampla gama de varejistas na internet. Há empresas menores e as grandes como a ALIBABA, que entregam em domicílio e oferecem uma impressionante seleção de frutas novas e tradicionais.

Para algumas frutas, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e o órgão regulador da China (AQSIC) estão negociando acordos fitossanitários.

Para acessar o estudo completo, clique aqui